7 Mentiras sobre Exercício Físico que estão a tornar as pessoas mais fracas e menos funcionais

shutterstock_119949211

1. Os agachamentos fazem mal aos joelhos.

Não, os agachamentos não fazem mal aos joelhos, a forma em que você está e/ou a forma como você faz agachamentos é que pode fazer mal aos joelhos (e às costas e a qualquer outra parte do corpo!!!). Já agora, foi algum amigo seu que lhe disse isso ou foi um especialista em movimento humano? No caso de ter sido o primeiro, ele também explicou-lhe quais as componentes críticas a ter em conta na execução desse padrão de movimento? Ou disse-lhe simplesmente que fazia mal aos joelhos, sem entrar em pormenores? Não é por nada, mas são esses “pormenores” que fazem toda a diferença.

Vamos aos factos. O agachamento foi um padrão de movimento que todos nós tivemos que fazer quando éramos mais pequenos, designadamente na fase de transição do chão para a posição bípede, provavelmente com algumas quedas pelo meio. Portanto, se tivermos em conta a forma como o nosso sistema biológico se desenvolveu do ponto de vista neuromotor, podemos constatar que nós só não fazemos agachamentos hoje em dia como deve ser porque: 1) simplesmente deixamos de os fazer ou 2) porque pensamos que não há necessidade de os fazer.

baby-squat

O problema é este: quando você deixa de fazer agachamentos você vai perder funcionalidade no sistema músculo-esquelético, que, por mero acaso, é o maior sistema do corpo humano e aquele que você julga que não é necessário investir para manter. Já pensou nisso? Ou acha que os seus músculos, ossos, tendões, ligamentos e fascia têm pouca importância na sua saúde e na forma como comunica com o ambiente à sua volta? Existem muitas coisas boas a acontecer quando um agachamento é bem feito e você só tem a ganhar se o fizer com regularidade – o passar os joelhos com a ponta dos pés não é o aspecto mais importante!

Segundo o Paul Chek, um dos primeiros autores a falar sobre movimentos primais, o agachamento completo até pode ajudá-lo(a) na digestão e eliminação através das forças de compressão exercidas pelas coxas no abdómen inferior. Como é que isto acontece? Quando você está agachado, a coxa direita irá comprimir o ceco (a origem do seu intestino grosso), empurrando mecânicamente as fezes para cima para a secção transversa do cólon, enquanto que a coxa esquerda vai comprimir o cólon descendente, e assim mover as fezes para o colón sigmóide e, finalmente, para o recto. Pelos vistos, até na funcionalidade do sistema digestivo, o agachamento pode ser útil!

Portanto, sendo o agachamento um padrão de movimento fundamental (o que de acordo com a minha última consulta ao dicionário de língua portuguesa, fundamental significa essencial), eu diria que você precisa de fazer agachamentos da mesmo forma que precisa de beber água, de comer proteína, gorduras saudáveis e verduras.

2. Preciso de fazer crunches e outros exercícios localizados para perder barriga. 

bicycle-crunches-exercise2

Aquilo que você precisa é de comer melhor e de beber menos álcool nas jantaradas que faz com os seus amigos aos fins de semana. Você pode fazer todos os crunches que quiser e até comprar aqueles aparelhos espectaculares para “tonificar” os abdominais, mas enquanto você não corrigir a sua alimentação, você só vai estar a perder o seu tempo e a enriquecer alguém que não se preocupa minimamente com a sua saúde e com o seu estilo de vida. Aliás, nem os crunches são os exercícios mais aconselháveis para “treinar” os abdominais (LINK). Portanto, melhorar a nutrição é o passo número um.

Passo número dois. Se você pretende perder barriga de forma mais rápida, você vai precisar de treinar de forma inteligente. Sendo assim, o meu conselho é que comece por (re)aprender os padrões de movimento fundamentais e que depois vá progredindo as cargas e os exercícios de forma sustentada. Para você ver resultados mais rápidos, você vai precisar de treinar com mais intensidade (exemplo: mais peso na barra), mas não seja estúpido ao ponto de fazer coisas para as quais o seu corpo não está devidamente preparado e/ou que possam replicar mecanimos de lesão – como por exemplo os famigerados treinos de alta intensidade e as máquinas de abdominais que ainda proliferam em muitos ginásios. Ou seja, opte sempre por movimentos compostos que utilizem uma maior quantidade de massa muscular (agachamentos, lunges, flexões, remadas, elevações, peso morto, press, burpees, swings, power cleans, treino com cordas, etc.) e complemente esse trabalho com sprints para acelerar a queima de gordura – isto se o seu corpo já estiver preparado para tal.

Ah, e em relação à gordura localizada, se ela está localizada numa determinada parte do seu corpo é porque provavelmente o seu ambiente hormonal assim o dita, o tal que você tem a capacidade de influenciar todos os dias com as escolhas que faz – quando come bolos, doces, quando fuma (ativa ou pasivamente), quando bebe, quando faz jogging ou quando deita-se tarde porque ficou a ver um filme na televisão. Não, a resposta não é a genética, a resposta está na epigenética, na interação dos seus genes com o meio ambiente.

Nota: Segundo esta notícia, publicada há alguns dias atrás pelo jornal Público, metade da população portuguesa tem excesso de peso, penso que o ambiente que nos rodeia não nos está a ajudar muito.

3. Preciso de fazer o típico “cardio” para melhorar a minha capacidade cardiovascular.

A não ser que esteja a viver debaixo de uma rocha, você provavelmente já deve saber que o treino aeróbio de intensidade moderada é a pior opção para perder massa gorda (LINK; LINK). Aquilo que você provavelmente não sabe é que não precisa de fazer o típico treino “cardio” na passadeira durante horas para melhorar a sua capacidade cardiovascular. Quando você está a falar com alguém ou a caminhar na rua, você está a fazer “cardio” de baixa intensidade.

Vamos recuar um pouco no tempo para perceber melhor o que aconteceu.

20fitness.190.2

O Dr. Kenneth Cooper foi o médico que introduziu o conceito de “cardio” por volta dos anos 60, com a publicação do seu best-seller Aerobics, em 1968. Na altura, Cooper pensava que era preciso isolar o sistema aeróbio para melhorar a capacidade cardiovascular, e, em certa medida, ele até tinha alguma razão (naquela altura os estudos conduzidos pareciam apontar nesse sentido). O problema é que, a partir das suas premissas, o enfoque primário do exercício físico passou a ser “o cardio” e deixou-se para segundo plano o treino das qualidades físicas e/ou o treino dos outros sistemas de energia.  Ao longo do tempo esse conceito foi ganhando uma dimensão tal que qualquer atividade baixa em intensidade e realizada de forma contínua, como a caminhada, o jogging, o ciclismo, a natação, são consideradas “cardio” e, por esse motivo, fazem bem ao coração. O termo aerobics foi uma criação sua para identificar a sua abordagem particular ao treino, na verdade esta palavra não existe em lado nenhum na literatura científica. Já o termo aeróbio (ou aeróbico) existe e descreve uma via metabólica que utiliza oxigénio.

O Dr. Cooper acreditava que a porção aeróbia do metabolismo humano era a mais importante, mais importante que a totalidade das vias metabólicas  que contribuem para o funcionamento do nosso sistema biológico e para a nossa saúde. Por este motivo, ele achava que era preciso isolar esta secção do metabolismo e treinar apenas nessa zona. Hoje sabemos que as suas crenças estavam erradas e que não é possível isolar o sistema aeróbio dos outros sistemas de energia, todos eles funcionam de forma integrada e a utilização dominante de cada um vai depender do tipo de esforço que realizamos.

Quando você levanta pesos pesados ou quando faz treino de resistência muscular, você está também a trabalhar a parte cardiovascular, ou seja, o seu sistema cardiovascular está sempre a funcionar, independentemente da intensidade do exercício que está a realizar. Quando você faz treino intervalado de alta intensidade ou vários sprints de curta duração, você está a solicitar o sistema aeróbio durante os períodos em que está a recuperar, ou seja, não é apenas durante o treino aeróbio que você está a trabalhar o sistema aeróbio. E o mais interessante é que não parece haver vantagens adicionais na sua capacidade aeróbia se efetuar o treino aeróbio convencional (LINK; LINK).

Em suma, a sua saúde metabólica não pode ser medida apenas pelo funcionamento do seu sistema cardiovascular, mas fundamentalmente pela capacidade funcional do seu sistema músculo-esquelético. O Dr. Cooper até pode ter ajudado muitas pessoas a melhorar a saúde do seu coração, mas a sua abordagem particular ao exercício não foi, certamente, a mais feliz para melhorar a saúde dos seus joelhos e articulações.

4. As máquinas são ferramentas importantes para melhorar a minha performance.

Se for para melhorar a sua performance num concurso de bodybuilding estou completamente de acordo, não há forma melhor de trabalhar os músculos de forma isolada como nas máquinas. Agora, se o seu objetivo é melhorar a sua performance atlética e/ou a sua performance nas atividades do dia-a-dia, você precisa de mudar de mentalidade e de fazer um programa de treino à base de movimentos funcionais (nota do Pedro: à base de movimentos funcionais significa isso mesmo, “à base de movimentos funcionais”, isto não quer dizer que não se recorra a determinadas máquinas se o profissional responsável pelo planeamento do seu programa de treino achar necessário).

nautilus-ns-300-x-11345-6870_zoom

As famosas máquinas dos ginásios surgiram por volta dos anos 70-80, graças a um senhor chamado Arthur Jones, este senhor inventou um tipo de equipamento (Nautilus) que tinha como objetivo revolucionar o exercício com resistência. Isto é, foram desenhadas máquinas para trabalhar o corpo por partes em forma de circuito e ajustar a carga segundo o princípio da resistência variável. Estas máquinas foram desenhadas para trabalhar os vários músculos do corpo em forma de circuito, com base na premissa que ao treinarmos desta forma poderíamos treinar o corpo inteiro. O problema é que o nosso corpo é um sistema complexo e não funciona assim – se você não acredita em mim experimente levantar-se agora da sua cadeira utilizando um músculo de cada vez.

Infelizmente, este tipo de equipamento ainda prolifera nas maioria dos ginásios convencionais (os famosos health clubs) e obviamente que há fortes razões comerciais para que isso aconteça. Antes da invenção deste tipo de equipamento, se alguém quisesse treinar a sério, era preciso aprender a levantar cargas e aprender as habilidades específicas de subir uma corda ou de fazer qualquer outro movimento de ginástica. E para isso acontecer, era preciso ter alguém competente a ensinar. E hoje para ter alguém competente a ensinar, é preciso que essa pessoa tenha uma boa educação profissional e que devote o seu tempo a ensinar / educar as pessoas aquilo que elas precisam saber para se tornarem mais independentes. Não é isto que acontece na maior parte dos ginásios convencionais.

Ou seja, o Arthur Jones revolucionou a indústria do fitness mas, a meu ver, esta não foi uma revolução próspera. Porquê? Bom, basicamente porque este modelo baseado nas máquinas serve os interesses da indústria do fitness mas não serve os interesses da nossa saúde – e este é que é o aspecto mais importante (acho eu).

5. O treino funcional é a solução para todos os problemas.

Infelizmente o treino funcional tem ganho má reputação e confunde-se este tipo de treino com o treino em superficies instáveis ou com o treino que consiste em replicar os movimentos de uma determinada modalidade desportiva no ginásio, trabalhando “tudo ao mesmo tempo” e/ou na lógica do “quanto mais melhor”.

Magic-functional-exercise

Ora bem, quando falamos em treino funcional, importa saber do que é que estamos a falar, portanto, primeiro é preciso definir e entender bem o conceito para podermos falar sobre isso. Faz sentido, certo? O conceito de treino funcional surgiu em primeiro lugar como uma extensão da fisioterapia em meados dos anos 90 com o objetivo de simular o treino de movimentos específicos das atividades diárias ou das modalidades desportivas praticadas. Vários autores já abordaram o conceito há algum tempo atrás, os primeiros que o fizeram foram o Juan Carlos Santana – Quatro Pilares do Movimento Humano (1999), o Paul Chek – Movimentos Primais (2001) e o Gray Cook – Functional Movement Screen (1998). Outros autores também já contribuíram com várias publicações para definir o conceito:

“O treino funcional envolve mais que o treino em superfícies instáveis, bolas de estabilidade e elásticos. O treino funcional engloba um conjunto de métodos e aplicações que ajudam na transferência do treino para a competição (…) a função deve ser vista como uma abordagem integrada (ao contrário de isolada) que envolve o movimento de partes múltiplas do corpo em múltiplos planos.” Gambetta (2007)

“O treino funcional incorpora o objetivo de aumentar a força ao longo da cadeia de ligação do corpo. Isto garante que a força é gerada rapidamente, através de movimentos e posturas complexas, num ambiente que preserva o equilíbrio e a estabilidade das articulações enquanto evita riscos de lesão.” McGill (2009)

“Contínuo de exercícios que ensina os atletas a suportar o seu peso corporal em todos os planos de movimento.” Boyle (2010)

A meu ver, o grande objetivo do treino funcional é induzir uma adaptação específica para um determinado indivíduo – e é daqui que nasce a importância de personalizar o treino de acordo com as necessidades e objetivos de cada pessoa. Num contexto desportivo, esta adaptação pode ser traduzida como o resultado num jogo, num torneio, numa prova ou em qualquer outro evento pontual. Num contexto da vida diária, pode ser traduzida como em sentar e levantar da cadeira, carregar as compras do supermercado, subir escadas, levantar objetos do chão, brincar com os filhos ou netos, reagir rapidamente para não cair, etc.

Embora hajam adaptações gerais que todos os seres humanos beneficiam e precisam para manter a integridade da sua saúde e do seu sistema músculo-esquelético, a verdade é que numa perspetiva de otimização da saúde e de aumento de longevidade interessa sempre conhecer as limitações físicas e assimetrias para poder adoptar uma estratégia pró-ativa nesse sentido, sejam desportistas profissionais ou atletas recreativos. Por isto é que se devem fazer avaliações in situ com o indivíduo antes de desenhar um programa de treino. Há quem goste de adivinhar e de mandar uns bitaites para o ar – esse não me parece o melhor caminho.

Se você está a fazer treino funcional (daquele que é mesmo funcional e não daqueles actos de circo que já vi partilhados no youtube) você provavelmente vai melhorar a sua competência geral de movimento – é disto que o seu corpo precisa e foi assim que o seu corpo evoluiu. Mais, um programa de treino funcional corretamente aplicado encerra em si mesmo uma componente de prevenção de lesões porque o seu cérebro e corpo irão saber reconhecer os movimentos que entretanto se esqueceu por causa do seu estilo de vida sedentário.

Na minha opinião, enveredar por um programa com estas características trará sempre maiores benefícios e a razão pela qual destaquei o treino funcional nesta lista tem a ver com a deficiente compreensão (e alguns preconceitos) daquilo que se entende como “treino funcional” e a sua correta aplicação. A nossa vida é um constante desafio à melhoria da performance, portanto o treino (tal como a nutrição) deve ser sempre que possível funcional e personalizado, seja a levantar pesos pesados, a fazer um lunge com o peso corporal ou a fazer um drill específico para uma determinada modalidade desportiva.

6. O treino de força faz mal à Saúde.

old-man-exercising

Sobre isto podíamos escrever um livro com vários capítulos, por isso vou destacar apenas aquilo que considero mais relevante para os objetivos deste artigo, até porque já abordei este tema noutros textos. A maioria das pessoas, principalmente as mulheres (LINK), associa o treino de força à imagem dos indivíduos musculados que não conseguem coçar as costas e que tomam umas coisas para ficarem grandes. Tenho vários amigos que me dizem que não querem ficar grandes e que por isso escolhem fazer umas corridinhas de vez em quando na lógica do queimar calorias – na cabeça deles parece que uma coisa substitui a outra e que o treino de força é algo de acessório.

Partindo desta representação mental, as pessoas leigas nesta área fazem mais ou menos o seguinte raciocínio:

1) O treino de força é semelhante aos treinos efectuados pelos culturistas – são estes os tais indíviduos grandes que toda a gente pensa que se pode vir a tornar. E claro, nem é preciso fazer muito esforço para ficar musculado (espero que tenha sentido a ironia);

2) Depois, estas pessoas associam esta imagem à toma de drogas e suplementos que são necessários para fazer crescer os músculos. Aliás, até metem tudo na mesma categoria porque na cabeça delas aquilo é tudo igual (história real: lembro-me de há algum tempo atrás assistir a uma conversa entre namorados, a namorada tinha começado a treinar e perguntava-me sobre um suplemento de proteína whey para tomar depois do treino, e o namorado ficou chateado porque achava que essas “merdas” faziam mal à saúde. Ele estava a beber uma coca-cola e a namorada estava a beber água…!);

3) Depois, ainda associam este tipo de treino a um esforço demasiado grande, têm receio de ter um AVC (porque os médicos dizem que fazer “muita força” é perigoso – provavelmente não se recordam que as suas mães tiveram que fazer “muita força” para eles nascerem) e então optam por actividades mais moderadas como as caminhadas, a hidroginástica, o yoga ou a jardinagem.

Ora, este tipo de raciocínio está completamente deturpado e se há algo que faz bem à saúde (quando corretamente aplicado) e que deve começar a ser utilizado com maior frequência é o treino de força, quer para a melhoria de performance, quer para a prevenção e tratamento de doenças metabólicas. E é importante que fique claro que isto não é a minha opinião, isto já tem sido demonstrado em muitos estudos de intervenção. Qualquer pessoa que pretenda aumentar a sua capacidade funcional e a sua longevidade precisa de treinar a força (leia aqui: porquê que os seus avós precisam de começar a levantar pesos?), portanto se o seu objetivo é este, aprenda a fazer força de forma correta (sim, a força é uma habilidade que também se aprende) e utilize esta ferramenta para envelhecer com mais saúde e para não acabar a sua vida de bengala ou de fraldas.

7. Preciso de acabar o treino exausto para sentir que treinei bem.

b69cfe3a57411e3670c2b8d043b9c342688524abac206f6c8edad268159dd84e

Na minha prática faço questão de colocar desafios às pessoas com alguma regularidade. É importante que as pessoas saiam da sua zona de conforto e que façam coisas difíceis de vez em quando. É no confronto directo com esses desafios que as pessoas evoluem e se superam.

Durante a nossa vida nós vamos enfrentar uma série de adversidades, e eu estou convencido que aqueles que estiverem melhor preparados do ponto de vista mental e físico, serão os mais bem sucedidos nas suas áreas de intervenção. A vida não é fácil, todos nós passamos por situações difíceis de vez em quando (doenças e/ou morte de amigos, familiares, despedimentos, etc.) e por isso é que eu considero importante que as pessoas se desafiem de vez em quando para estarem melhor preparadas.

Mas é importante não confundir este tipo de desafios para fazer de forma controlada e progressiva, com os desafios diários de acabar todos os dias o treino a cair para o lado, um fenómeno que se tem tornado bastante recorrente com o aparecimento dos WODS no CrossFit. Logicamente, isto não faz bem à saúde e não é disso que estou a falar. Qualquer treinador ou indivíduo curioso pode fazer suar uma pessoa e deixá-la quase a morrer, isso é fácil e nem é preciso estudar nada que tenha a ver com treino e/ou condicionamento físico. Mas não é qualquer treinador que consegue que uma pessoa acabe o treino cansada o quanto baste para poder induzir a adaptação que vai levar à melhoria da sua saúde e performance. Isto requer estudo e prática no terreno. Isto requer o conhecimento do ciclo de stress/recuperação/adaptação – nós queremos causar stress no sistema mas ele não pode ser muito baixo nem muito alto, tem que ser na dose certa.

Slide Ciclo Adaptaçao

A dose aplicada ao nosso sistema é fundamental e a verdade é que você não precisa de ficar encharcado e/ou cheio de dores musculares nos dias seguintes para sentir que treinou bem. Aliás, estas dores musculares são normais e resultam da inflamação dos tecidos que foram utilizados no treino. Se você está a treinar forte todos os dias (seja porque precisa de ficar mais forte ou porque acha que quanto mais treinar melhor), você não está a dar o devido tempo ao seu corpo e ao seu sistema imunitário para recuperar do treino que realizou. É por este motivo que é importante dar tempo ao seu corpo para descansar, e, provavelmente, focar-se mais na qualidade das suas sessões de treino. O descanso tem que fazer parte do programa de treino. Se você ficar muitos anos sem fazer qualquer tipo de exercício é normal que sinta mais dores musculares, o problema aqui não é necessariamente o treino que fez mas sim aquilo que não fez durante esses anos – você é o culpado e é normal que o seu corpo se queixe!

Por exemplo, se o foco do seu treino é a força e/ou potência, você provavelmente não vai suar da mesma forma que num treino de HIIT ou num treino de resistência muscular metabólico. Quem já fez treino de força a sério sabe daquilo que estou a falar. É um erro grosseiro medir a qualidade do seu treino por aquilo que sua ou por aquilo que deixa de suar – espero que isto faça sentido para toda a gente.

Em suma, você não precisa de treinar mais para ficar melhor, nem de acabar o treino de rastos para ficar melhor, você precisa de treinar melhor para ficar melhor. Um treinador consciente saberá perguntar-lhe também sobre os seus padrões de sono, sobre a sua alimentação e sobre a sua hidratação, muitas vezes o sucesso ou insucesso dos seus resultados pode não ter a ver com aquilo que faz durante a sessão de treino mas com aquilo que faz no resto do dia. A responsabilidade é mútua, se você está sempre cansado pode ser que o factor limitante não seja o treino.

Até breve!

Referências

Boyle, M. Advances in Functional Training. On Target Publications (2010).

Burgomaster KA, Hughes SC, Heigenhauser GJ, Bradwell SN, Gibala MJ. Six sessions of sprint interval training increases muscle oxidative potential and cycle endurance capacity in humans. Journal of Applied Physiology 2005 Jun;98(6):1985-90. Epub 2005 Feb 10.

Chek, P. How to Eat, Move and Be Healthy! Your Personalized 4-Step Guide to Looking and Feeling Great from the Inside Out. C.H.E.K Institute (2004).

Chek, P. Fear The Squat No More! Part I. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2004/07/28/fear-the-squat-part-one.aspx

Cook, G., Movement. Lotus Publishing. (2010).

Gambetta, V.  Athletic Development, The Art and Science of Functional Sports Conditioning. Human Kinetics (2007).

Gibala MJ, Little JP, van Essen M, Wilkin GP, Burgomaster KA, Safdar A, Raha S, Tarnopolsky MA. Short-term sprint interval versus traditional endurance training: similar initial adaptations in human skeletal muscle and exercise performance. J Physiol. 2006 Sep 15;575(Pt 3):901-11. Epub 2006 Jul 6.

McGill, S. Ultimate Back Fitness and Performance Fourth Edition. Wabuno Publishers, Backfitpro Inc. (2009).

McGuff, D; Little. Body by Science. McGraw Hill (2009).

Rippetoe, M., Starting Strength Basic Barbell Training. The Aaasgard Company (2013).

Rippetoe, M. Practical Programming for Strength Training 3rd Edition. The Aasgaard Company (2013).

Santana, J.C., Functional Training; Breaking the bonds of traditionalism (1999).

172 thoughts on “7 Mentiras sobre Exercício Físico que estão a tornar as pessoas mais fracas e menos funcionais

  1. Bom post!😉

    Já agora, gostaria de te perguntar quais os pontos-chaves que costumas observar num agachamento?

    Boas festas e bom ano!🙂

    Abraço,
    Jorge

  2. Pingback: De Sedentário a Maratonista 7 Mentiras sobre exercício físico que estão a tornar as pessoas mais fracas e menos funcionais - De Sedentário a Maratonista

  3. Muito bom artigo. Parabéns. Muitos mitos desmitificados. Achei o do cardio bastante interessante pois não é visto do modo como o apresentaste na nossa indústria. Concordo plenamente contigo.
    Gostaria de te por umas questões:
    Em relação ao ponto 4 – máquinas são ferramentas tais como elásticos, ketterbels, halteres, “peso corporal”, ou seja, são usadas como resistência (com propriedades diferentes). Tudo se decompõe em força. A minha questão é: se eu quiseres melhorar a minha performance (desportiva ou do meu dia a dia) e tiver por exemplo uma produção de força deficiente na extensão do joelho, usar uma leg extention não seria funcional? Esse exercício isolado não me melhorará a performance? Não será então funcional? E funcional são apenas movimentos compostos? Como é que eu início a marcha (movimento funcional ou primal) sem a extensão do primeiro metatarso (movimento isolado)?

    Cumprimentos e continua o bom trabalho.

  4. O que mais gostei foi o facto de ter referências bibliográficas no final. Estamos a falar de algo sustentado e com muitos estudos por detrás, havendo pouco espaço para “achismos”. Bom artigo. Parabéns

  5. Muito bom artigo, muito bom blog. Acho que todos os profissionais da área do desporto/educação física, deviam ler antes de falar.
    Numa latura fui assistir a uma palestra/formação sobre a força e ouvi o tipo a dizer mal sobre o treino funcional; para o individuo que tava a dar a formação só exitem três tipos de exercicios para força:
    1 – Peso Morto
    2 – Agachamento
    3 – Supino
    As cargas deveriam ser no primeiro 2,5 x o peso corporal, no segundo 2x e no terceiro 1,5x
    A área em questão é o karate, e eu conheço umcampeão do mundo frances que nunca trabalhou com pesos, e era super rápido.
    Portantoi posso tar enganado, mas o tipo que deu a formação, não pareceu muito seguro do que tava a dar.
    O que queria saber é se estes três exercicios são realmente os únicos para gerar força.

    • Olá, não são os únicos mas são seguramente importantes, se forem bem aplicados num contexto de um programa de treino para aumentar a força. Para trabalhar a potência (que é fundamental no karaté) há que incluir o treino de outros movimentos mais explosivos.

      Cumprimentos.

      • Só mais uma pergunta, é sobre o chamado mito das repetições.
        Em exercicios que esteja marcado, 3×10, se forem por exemplo 3×9 ou 3×11 não gerará resultados, ou será que é obrigatório ser mesmo 3×10?
        É que eu ouvi, um PT a dizer a um cliente, que se não fizer as 3×10, não cresce (tipo é obrigatório fazer 3×10).
        Desde já o obrigado.

  6. Boa tarde

    Muito bom artigo.
    Tenho uma dúvida que se calhar é um bocado estúpida da minha parte.
    Supostamente se eu quiser fazer trabalho de definição (vulgo “secar”), devo fazer por exemplo 3×15 reps, e descansar cerca de 30 segundos, ou devo ir até ao limite?
    É que já ouvi tanto “profissionais” com tantas teorias diferentes.
    Uns dizem que se deve fazer 3×15 outros 3×20, uns dizem descansar 30 segundos outros dizem 60, há outrois que se deve fazer 3xn (ir ao limite), e descansar 60, e ainda ouvi uma teoria de que devia ser em piramide crescente.
    Gostava de saber se estas teorias são corretas ou se se não o são.
    Obrigado

    Cumprimentos

    • Olá Paulo,

      Vou-lhe dizer uma coisa que provavelmente nenhum profissional lhe disse antes: cuide da sua alimentação em primeiro lugar, o número de reps não será o critério mais importante, algo dentro desse género poderá resultar, como também algo com menos reps com cargas mais pesadas.

      Cumprimentos.

  7. Boa tarde

    Antes de mais que felicitar por este excelente blog.
    Tenho uma dúvida, sobre os alongarmentos na musculação.
    Há quem diga que não se devem fazer porque pode causar lesão ao musculo, há quem diga que se deve para reordenar as fibras, há quem diga que tanto faz fazer ou não.
    E é aqui que reside a minha dúvida, deve-se ou não fazer? Se sim com que intensidade?
    Desde já obrigado

  8. Olá Pedro! Obrigada por derrubares mitos🙂 ando a fazer o t25 do shaun t! O que achas do mesmo ? Ideal para perder peso? Ideal para melhorar a condição física ? Sou super ocupada e trabalho mais q full time . Infelizmente n da para fazer outro workout e achei que este de meia hora fosse ideal! Obrigada!

  9. Boas

    Eu acho que esse tipo de treino é um bocado “violento”, além dos mais se comprarmos os dvd nunca temos a certeza se estamos a fazer bem ou não. Concordo Totalmente com o Pedro.

      • Já fiz o T25, insanity, insanity max 30, 21 day fix e bodybeast. E para perda de peso, entenda-se massa gorda obtive excelentes resultados. Para algumas pessoas talvez, com mais idade alguns exercícios não sejam aconselhados, talvez demasiado agressivos, mas é apenas o meu modo de ver as coisas. No geral gostei de todos.

  10. Parabéns pelo artigo Pedro, eu estoura fazer Crosstrainning desde maio com os consequentes WODs de cair para o lado, e realmente se noto grandes melhorias respecto a outros treinos anteriores, qual é o problema de treinar ao máximo? É duro sim, mas tb existe a componente de motivação muito elevada e de comunidade. Obgd e parabéns mais uma vez pelo excelente artigo

  11. Boa tarde

    Após ler os vários comentários, ainda há pessoas que acham que mais é melhor. Acham que se treinarem até cair faz bem, que se dormirem sem sono é que é bom e tal… A expressão que diz que TUDO EM EXCESO FAZ MAL, não entra no dicionário das pessoas. Nem o Ronaldo faz isso e é o melhor do mundo. Portanto antes de se porem num ginásio e porem-se a fazer o que quer que seja, aconselhem-se antes com quem saiba. Vigiem a vossa saúde, porque ninguém o faz por vocês.
    Já agora excelente blog. continnue com o bom trabalho.

    Cumprimentos

  12. Boa Tarde

    Tenho uma dúvida, que é sobre o “mito” das repetiçoes. Já ouvi dizer mil uma coisas diferentes. Mas houve uma explicação que achei plausivel, mas mesmo assim gostaria de saber se é verdade, o numero de repetiçoes varia consoante o substrato utilizado.
    Para os treinos de potência e força, o combustível é o ATP-PC , esse substrato é instantaneo, ele fornece muita energia em milésimos de segundo, porém, dura pouco, ou seja, dura em média 10 segundos, e em 10 segundos, conseguimos realizar de 1 até 2 ou 3 repetições, e intervalos maiores que dois minutos, para repor os “stocks”.
    Para hipertrofia, o principal combustível é o glicogénio muscular, e sua máxima utilização dá-se por volta 15 segundos até um minuto. Por isso que as séries para hipertrofia variam de 6 até 12 repetições. Seis repetições duram aproximadamente 18 a 24 segundos, e 12 repetiçõesrondam os 36 a 48 segundos, em média.
    A partir das 20 o substrato usado era a gordura.
    Posto isto a minha dúvida é se isto está correto, ou se foi mais uma teoria.
    Desde já obrigado

    Cumprimentos

    • Olá Manuel

      Obrigado pela sua questão, muito pertinente, sem dúvida.

      Primeiro, é importante dizer que o número de repetições que fazemos vai sempre gerar respostas hormonais e energéticas diferenciadas, e que estas respostas vão depender sobretudo do tempo sobre tensão (TUT) do exercício do que propriamente do número de repetições do exercício. Já vou dar um exemplo a seguir do que pretendo dizer com isto.

      Segundo, no que diz respeito às respostas energéticas (para responder à sua questão), é importante ter presente que existem três sistemas de energia: 1) sistema anaeróbio ATP-CP – consiste na capacidade do corpo em produzir energia através da metabolização de hidratos de carbono na ausência de oxigénio (tempo estimado: 8-12’’); 2) sistema anaeróbio láctico (ou glicolítico) – consiste na capacidade do corpo em degradar glucose para obter energia (tempo estimado: até 80-90’’) e 3) sistema aeróbio (ou oxidativo): consiste na capacidade do corpo em levar o oxigénio a partir da atmosfera para os pulmões, transferi-lo para o sangue, e em seguida bombeá-lo para os músculos, onde é utilizado para oxidar os hidratos de carbono e as gorduras, e assim produzir energia (tempo estimado: a partir dos 80-90’’). Ou seja, não são apenas as gorduras que nós utilizamos no sistema oxidativo.

      Terceiro, vamos ver um exemplo. Imagine que está a fazer séries de bicep curl de 10 repetições com o objetivo de aumentar a força muscular (70-80% RM), se demorar 10 segundos a fazer essa série vai utilizar sobretudo o sistema anaeróbio alático, se fizer o exercício a baixar em quatro segundos (fase excêntrica) e a subir num segundo (fase concêntrica) vai demorar perto de 50 segundos (ou seja, vai recorrer ao sistema anaeróbio láctico) e se demorar 5 segundos a subir e 5 segundos a baixar, isto vai dar mais de 100 segundos, o que significa que já vai começar a utilizar o sistema oxidativo no respectivo exercício, devido ao esgotamento das reservas de glicogénio e da acidez muscular gerada – em termos práticos isto já não serviria muito para propósitos de hipertrofia.

      Posto isto, é importante ter em conta que estes sistemas de energia não funcionam de forma independente, funcionam sempre em sinergia em função do tipo e tempo de esforço que estamos a realizar. Há muitas variáveis a ter em conta quando se procura uma resposta ótima ao exercício e ao programa de treino, portanto o melhor será sempre ter o acompanhamento de um profissional competente nesse sentido.

      Espero que tenha ajudado.

      Cumprimentos,

      Pedro

  13. Boa tarde

    Frequento um ginásio, e gostava de ter uma segunda opinião sobre os tão famosos mitos das repetiçoes.
    A mim disseram-me que as repettiçoes têm a ver com o tipo de substrato utilizado. Treino de força ou potencia é usado ATP-CP que dura pouco tempo, por isso só se faz 3 a 4 repetições. Treino de hipertrofia usa-se o glicogénio muscular que dura cerca de 1 minuto, e nesse tempo conseguimos fazer entre 8 a 12 repetições. Acima disso era usada a godura.
    Ainda não vi nenhum tópico igual a este, e acho que é uma questão pertinente.
    Desde já agradeço a atenção dispensada.

    Cumprimentos

  14. Boa tarde

    Tenho uma questão, e como também vi só um post em relação à minha dúvida, queria saber, se saltar à corda pode ou não ser considerado HIIT, sei que tem que corresponder a um determinado VO2. Isto também era outra coisa, que gostaria de saber, se existe alguma formula/tabela de determinar esse VO2 máx, em relação aos bpm e a partir do qual, é que se começa a queimar gordura, ( julgo eu que seja uma das formas de perder gordura).
    Peço desculpa pelas perguntas, mas não vi nada em relação a isto.
    Já agora só mais uma coisa, sei que não se deve trabalhar flexibilidade, depois de um treino de força ( por exemplo pernas), só que nunca me explicaram o porquê ( deram-me uma explicação que o musculo poderia rasgar, porque perdia a capacidade de memória, por estar cansado, mas não sei se é assim tão simples).
    Mais uma vez peço deculpa, mas como sou leigo na matéria, gostaria de saber.
    Desde já obrigado pela atenção.

    Cumprimentos

    PS: Excelente blog, excelente trabalho. Simplesmente bestial.

  15. Boa noite

    Quero felicitar, por este blog com estudos sempre recentes.
    Só queria pedir uma opinião, o que acha do treino de resistencia metabólica? É que não houve nenhum profissional que me desse uma explicação/opinião sobre o assunto; alguns nem sabem o que é.
    Desde já obrigado.

    Cumprimentos

  16. Bom dia

    Quero felicitar por este excelente blog. Está um trabalho excelente.
    Tenho uma pergunta: li isto e queria saber se é correto:
    Treinar RML (resistencia musculat localizada) é importante porque o músculo tem três tipos de fibras uma delas é responsável pela resistência (fibras do tipo 1), além de treina-las, aumentam a resistência de tendões e ligamentos, que ajudará na prevenção de lesões tanto em treinos mais avançados futuramente como treinos de força e potencia, além de diversas praticas de desportivas.
    Portanto eu gostaria de saber se isto é correto ou não. E se existealgum tipo de ciclo, por exemplo resistência, hipertrofia, força, ou força resitência, hipertrofia, cada treino dois meses de duração?

    Cumprimentos

      • Bom dia. a minha dúvida põe-se em relação se se deve treinar RML, ou não.
        Imaginemos um individuo (fisiculturista), só faz treino de força e hipertrofia, será que não era bom fazer um trabalho de resistência, de forma a fortalecer os tendões e ligamentos? Facto é que muito pouca gente faz esse tipo de trabalho e os que não o fazem queixam-se de dores nas articulaç~es, mas quando lhes é dito para fazer um treino desses: ah não, eu gosto de estourar o corpo…
        Quanto aos ciclos (um individuo que está no inicio do fisiculturismo), que ordem faz nos ciclos? Resistencia, hipertrofia e força? Ou será melhor outra?
        Desde já agradeço, e peço desculpa pela extensão da dúvida. É uma questão que faz muita confusão.

        Cumprimentos

      • Olá Tiago,

        A eventual prescrição de um trabalho de resistência vai depender da condição específica do indivíduo e do seu historial clínico e/ou de lesões. Em relação aos ciclos, se o objetivo final é a hipertrofia, talvez faça sentido começar por um trabalho de resistência e adaptação aos movimentos.

        Cumprimentos.

  17. Boa tarde

    Tendo em conta, nos dias de hoje, em que se fala, muito do treino funcional, e da qualidade dos movimentos, e tendo também em conta, aquele post sobre os abdominais, será seguro dizer que o pilates em alguns movimentos, é prejudicial para a coluna?

    Cumprimentos

  18. Boa Tarde

    tenho duas questões:
    1ª – Haverá exercicios na musculação qie não serão prejudiciais à coluna, mesmo que executados de forma correta?
    2ª – (vi num outro comentário), é o facto de por vezes a fazer exercicio o corpo tremer, quando se faz força, o que provoca isso?

    Desde já obrigado

    • Olá Baltazar,

      Talvez hajam alguns menos funcionais que outros, até porque o universo de exercícios pode ser muito vasto. Em relação à segunda questão, precisava de perceber melhor o contexto, poderá ser falta de estabilidade corporal ou poderá ser mesmo o efeito da força exercida pelo corpo.

      Cumprimentos.

  19. Boa Tarde

    Desde já quero felicitar por este blog, pela informação apresentada.
    Tenho, uma questão, será que não se deverá fazer treinos de resistencia muscular, para intercalar entre treinos de hipertrofia e força? Tipo , não fazer sempre força, hipertrofia, força, hipertrofia,etc… de vez em quando fazer um treino de resistencia muscular, (baixava-se ao peso a aumentava-se as repetiçoes, e reduzia-se o descanso),ou será que não faz falta?
    A mim disseram-me que fazia falta por causa das fibras lentas.
    Obrigado
    Cumprimentos

  20. Bom dia

    Antes de mais nada, quero felicitar por este blog fantástico. Segundo tenho apenas uma pquena dúvida:
    É bom uma pessoa correr 15 minutos de passadeira, antes do treino de hipertrofia?
    A pessoa em questão não é gorda, antes pelo contrário, é bastante magro, e também tem dificuldades em aumentar tanto o peso bem como volume.
    Portanto gostaria de saber se deve continuar a correr ou então esquecer isso.

  21. Bom dia

    Excelente blog, excelentes temas, excelente trabalho.
    Tenho uma questão, para que servem os planos corporais nos exercicios físicos (sagital, frontal e transversal)?
    Obrigado
    CUmprimentos

  22. Bom dia

    Antes de tudo, quero felicitar por um blog, de excelencia.
    Só queria, saber qual é a aopinião que tem, acerca daqueles tipos de treino, que se chama spartan, os treinoos militares, em ginásios e academias, e já agora asa flexoões com impulsao (tipo fazer uma flexão e bater palmas), não será prejudicial às articulações?
    Obrigado pela atenção e continue com este excelente trabalho.
    Cumprimentos

    João

  23. Boa Tarde

    Este blog é simplesmente bestial, temas pertinentes, e acima de tudo, as referencias a estudos.
    Tenho duas questões:
    1 ª – É sobre os movimentos considerados primais, quais são eles? eu vi estes quatro (flexóes, elevações, agachamentos e pranchas), mas tenhyo ao sensação que não sejam certos tirando o agachamento. Se me pudesse dizer quais são, ou indicar um link, ficava muito agradecido.
    2ª – Apesar de não ser este post, movimentos de alongamentos dinâmicos. Se existe algum sitio onde possa ter mais alguns movimentos para fazer.

    Desde já obrigado. Espero não ser muito chato em perguntar isto. Continue com o bom trabalho

    • Olá Francisco,

      Obrigado pelo seu comentário. Abaixo as respostas:

      1) Os movimentos primais (Paul Chek, 2001) são sete e são os seguintes: agachamentos, lunges, movimentos de empurrar, movimentos de puxar, movimentos de rotação, hip hinging (movimento de flexão da anca) e locomoção (andar, correr, sprintar). Esses que menciona foram referenciados pelo Mark Sisson no livro Primal Blueprint.
      2) O melhor será procurar por dynamic stretching.

      Cumprimentos.

  24. Bom dia

    Após ler o post anterior surgiu-me uma questão. Sabendo que a coluna vertebral, tem um determinado grau de flexão/rotação. Eu gostava de saber qual é o grau máximo de flexão/rotação da coluna vertebral, que pode ser feito em segurança. Já agora se me pudesse indicar alguns exercicios de correção postural para quem tem desvios na coluna (escoliose, cifose, etc), ou algum link, agradecia.

    Este é um blog de excelencia, apesar de saber que o tempo é escasso, é continuar como bom trabalho.

    Cumprimentos

  25. Bom dia

    Aproveitando a resposta anterior, e dentro do mesmo assunto,um individuo, normalisssimo, sem problema nenhum a nivel da coluna vertebral, poderá então fazer a famosa cadeira romana? ( pessoalmente não acho que seja bom).
    E quanto à rotação do tronco com kettlebell, ou halter ou bola medicinal há mal ser uma rotação de 45º? (tendo em conta que os pés rodem tb para não provocar sobrecarga no joelho).

    Desde já obrigado

    Cumprimentos

  26. Bom dia

    Queria felicitar pelo excelente blog, e pelo trabalho e informação disponibilizada.
    O que eu queria saber, qual é a sua opinião, sobre o pessoal que faz ciclismo ao domingo de manhã. Não é o meu caso, é só mesmo por curiosidade. Estive a falar com um amigo, que faz ciclismo todos os domingos, já há 16 anos, e sempre uma média de 80/100km, por domingo.
    Queria mesmo saber qual é a opinião que tem sobre o ciclismo, e qual a opinião sobre o ciclismo no movimento humano.
    Desde já grato pela atenção dispensada.

    Cumprimentos e bom fim de semana

  27. Boa tarde

    Excelente blog, com temas atuais e interessantes.
    Queria deixar uma sugestão, fazer um artigo em que falasse sobre os movimentos primais, quais são e formas de ostrabalhr.
    Acho que seria bom partilhar essa informação , porque há profisionais, que “vendem o peixe que compraram”, ou seja acham que cardio é que é, e afins.
    Eu sei que o tempo que dispõe é pouco, mas fica aqui a sugestão.
    Continue com o bom trabalho

    Cumprimentos

  28. Boa tarde

    Antes de mais quero felicitar por este excelente blog, simplesmente genial.
    Tenho duas questões a colocar, a primeira é, as flexões de braços também trabalham os musculos das costas? Se sim quais?
    A segunda, é em treinos de karate, para aquecer se fizermos saltos no lugar (iguais aos fazemos quando saltamos à corda) e depois skipping, médio/alto, ou só skipping médio/alto, não será mais vantajoso do que correr à volta da sala?
    Sei também por outro post que os alongamentos têm que ser dinâmicos.

    Desde já obrigado.
    Cumprimentos.

    • Olá Daniel,

      Obrigado pelo comentário.

      Respondendo às suas questões:
      1) Sim, mas num plano secundário. Os principais músculos envolvidos são o serrátil anterior (que na verdade tem a sua origem ao lado do peito nas costelas) e os trapézios.
      2) Em princípio sim.

      Cumprimentos.

  29. Boa tarde

    Tenho uma pergunta, o livro: Nutrição, Exercício e Saúde dos autores: Pedro Teixeira, Themudo Barata, Luís Bettencourt Sardinha, é um bom livro? Os temas são actuais? Se a informação lá contida, é semelhante ao seu blog (que é simplesmente espectacular)?

    Cumprimentos

      • Boa tarde

        Excelente blog, com temas pertinentes.
        Tenho uma questao, o treino de força ou hipertrofia ajudam a emagrecer?
        Já agora em relaçao à questao anterior sobre o livro que o Ruben fala, dois autores sao professores na fmh.

        Cumprimentos

  30. Bom dia

    Após ler alguns posts, surgiram algumas dúvidas ( que é normal).
    Antes de mais, queria felicitar por este blog, que é simplesmente bestial, informação actualizada, e preciosa.
    Portanto ,as dúvidas, são: o aumento do músculo, será a própria fibra muscular, ou será o tecido conjuntivo, que “cresce”? treino cria fissuras no tecido conjuntivo, é daí que vêm as dores musculares e não do ácido láctico?
    Houve um treinador que me disse, que a melhor altura, para comer seria na primeira meia hora a seguir ao treino, que era quando as células estavam mais receptivas, será mesmo meia hora ou nas primeiras 2 a 3 horas.

    Peço desculpa por algumas dúvidas serem se calhar básicas, mas gostava de saber.

    Desde já grato pela atenção dispensada

    Cumprimentos e continue com este excelente trabalho

    • Olá Carlos,

      Agradeço o comentário.

      Tanto o músculo como o tecido conjuntivo ficam mais fortes com o treino de força, para saber sobre a questão do ácido láctico veja o post sobre o ácido láctico. Sim, é verdade que no pós-treino as células estão mais recetivas à insulina, pelo que faz sentido incluir um batido de proteína nessa altura.

      Cumprimentos.

      • Boa tarde

        Segundo li um artigo, o que crescia era o tecido conjuntivo, o que aumentava no músculo era o sarcoplasma. Ou seja era uma aumento de 80% tecido conjuntivo e 20% do sarcoplasma.

        Cumprimentos

  31. Boa Tarde

    Antes de mais, queria felicitar por este blogue, fantástico.
    Após ler este post, em que o titulo diz “7 Mentiras sobre Exercício Físico que estão a tornar as pessoas mais fracas e menos funcionais”, descobri duas razões para isso acontecer, e nem sequer tem a ver com o equipamentos dos ginásios e/ou profissionais, mas sim pelo péssimo hábito de levar os telemóveis, para as salas de treino (para aceder ao facebook, que é importante), e levarem os jornais (à socapa) para lerem enquanto descansam, e depois queixam-se que não ficam todos xpto…
    Só queria, portanto apresentar duas razões pelas quais, as pessoas às vezes não ficam como querem, não por culpa dos instrutores, mas sim porque o face e ou resultado do Benfica são mais importantes.
    Não estou a dizer que o post está errado, muito pelo contrário, eu só quero é reforçar ainda mais o que se pretende passar no post.
    Ah, uma ideia, era muito bom, que o Pedro, conseguisse fazer um post, sobre os movimentos primários do ser humano, e forma de os trabalhar, sei que se calhar é um post difícil e que o tempo é muito pouco, mas fica a ideia.

    Cumprimentos e continue com este excelente trabalho.

  32. Boa Tarde

    Quero felicitar por este blog, que realmente, é qualquer coisa de fantástico.
    Mas tenho duas pequenas questões. São em relação ao agachamento.
    Pode-se fazer um agachamento completo em vez do tradicional (ficar com as coxas paralelas ao chão, etc), e a segunda é qual é a posição dos joelho no agachamento, sempre me disseram que o ideal era ficar com os joelho alinhado com o peito do pé para reduzir a carga mecânica, outros dizem que isso é treta, mas não convém passar a ponta do pé, e afinal em que é que ficamos?
    Cumprimentos

    André Silva

  33. Boa Tarde

    Sou um leitor assíduo do seu blog. Muito bom, cativante, com temas bem interessantes. Mas tenho duas questões:
    1- Disseram-me no ginásio (instrutor), que devia-se fazer treino de resistência (tipo 50/60% da carga 3 a4 séries com reps entre as 15 e 20, descanso +/- 30 segundos entre cada série), porque é forma de trabalhar as fibras do tipo I e porque também fortalecia os tendões e as articulações. É verdade?
    2- Sei que não é o sitio correto, mas sei que o leite faz mal, será que o leite de soja faz mal? Se sim porquê?

    Peço desculpa por se calhar serem dúvidas básicas, mas gostava mesmo de saber.
    Desde já agradeço a atenção
    Cumprimentos

    • Olá Diogo,

      Obrigado pelo comentário.

      Todos os exercícios com carga podem fortalecer os tendões e articulações, independentemente do número de repetições que faça. As fibras tipo I dependem primariamente da utilização da via do oxigénio e são do tipo I porque são de contração lenta, ou seja, pense em atividades aeróbias de baixa intensidade. Em relação à questão do “leite” não recomendo leite de soja porque a soja é um alimento pouco funcional.

      Cumprimentos.

  34. Boa tarde

    Antes de mais queria dar os parabéns pelo este blog.
    Tenho uma questão, que músculos trabalham no seguinte movimento: abrir e fechar os braços ( ao nível dos ombros, na horizontal), mas no momento de abertura, quando os braços estão mais afastados viramos a palma da mão para cima, ao voltar voltamos a virar as palmas das mãos para baixo, voltamos a afastar e voltamos a rodar as palmas das mãos para cima, e assim sucessivamente
    Peço desculpa se não me expliquei bem.

    Cumprimentos

  35. No exercicio, comum no aquecimento, de abrir e fechar os braços na horizontal, ( em que cruzam à frente do tronco e abrem e ficam esticados à altura do ombro, paralelos ao chao), se no momento que abrimos os braços rodarmos a palma das maos para cima, é um bom movimento para trabalhar/aquecer os rotadores do ombro?

    Cumprimentos

  36. Bom dia

    Caro prof Pedro, sigo o seu blog há já algum tempo, e digo que, sinceramente é do melhor que já vi.
    Tenho duas questões, a primeira: como se diz a alguém, que fazer treino de força é melhor para a saúde? Uma pessoa que faz hora e meia de cárdio, um milhão de abdominais (crunch a flectir demasiado as costas), sempre que digo que devia pegar em ferro, diz: “ah não, eu já faço muito, já faço cárdio, já faço uns abdominazitos… não quero puxar”
    e é daquelas pessoas que acha que caminhar é bom.
    Outra questão, como treinar (ou que exercícios fazer) uma pessoa que sofreu um acidente, partiu o lado esquerdo todo, teve mal e agora não consegue correr nem saltar, e tem peso a mais, nunca fez exercício?

    Desde já obrigado pela atenção dispensada e continue com o bom trabalho.

    PS: em relação à resposta do post anterior, se eu fizer o mesmo movimento dos braços, (rotadores internos do ombro) mas com um elástico, é bom, ou convém ser com peso?

    • Olá Gil,

      Obrigado pelas suas palavras.

      Em relação às suas questões:
      1) Não adianta convencer quem já sabe as respostas – na realidade as pessoas são livres de escolher aquilo que querem e que se sentem bem a fazer.
      2) É preciso que essa pessoa seja avaliada por um profissional mas o caminho passa por recuperar a mobilidade e introduzir movimentos com o peso corporal (isto deverá ser feito de forma progressiva).
      3) É melhor fazer com os elásticos, não adianta carregar nesse tipo de exercício (também pode fazer com peso se quiser desde que não seja pesado).

      Com os melhores cumprimentos,

      Pedro Correia

  37. Boa tarde prof Pedro

    O seu blog está simplesmente fantástico, é uma lufada de ar fresco ( e bem fresco), nas ideias incutidas (e algumas de tal forma enraizadas que só saem a martelo).
    Tenho três pequenas questões:
    1 – Gostaria que me indicasse um exercício composto para ombros, ( sei que os exercícios compostos são aqueles que trabalham vários músculos e são multi-articulares), mas nos ombros…
    2 – Como se corrige uma assimetria no músculo dorsal? Tipo um lado está mais desenvolvido que o outro (sei que passa pela avaliação de um profissional, mas gostaria que me desses umas indicações).
    3 – Saltar à corda faz melhor que correr? É melhor saltar à corda por exemplo 20/30 minutos ou correr 20/30 minutos ( a nível de perder massa gorda)?

    Agradeço desde já a atenção dispensada
    Cumprimentos e continue com este excelente trabalho

    PS: Já pensou em publicar um livro com as informações aqui do blog?

    • Olá Pedro,

      Obrigado pelos comentários.

      Em relação às suas questões:
      1) Press de ombros com barra (em pé).
      2) Seria preciso avaliar em que movimentos se manifesta essa assimetria, era preciso identificar a causa.
      3) Saltar à corda poderá ser melhor que correr (não é preciso tanto tempo) mas para perder massa gorda o melhor será dar mais ênfase ao trabalho com pesos.

      Quanto ao livro, é preciso escrevê-lo🙂.

      Cumprimentos.

  38. Boa noite prof Pedro

    Sigo o seu blog há algum tempo e tenho a dizer que é simplesmente TOP🙂
    Tenho uma questão, que se calhar é básica.
    Assisti aqui há tempos a workshop de treino de força, para um desporto especifico (karate), e o individuo diz que é mais vantajoso fazer um agachamento completo com halteres (ir com o rabo ao chão), do que fazê-lo com barra e fazer os 90º graus com as pernas. Que no primeiro recruta mais fibras que no segundo. Até que ponto isto é verdade? num treino de força pura também se aplica?

    Desde agradeço a atenção dispensada
    Cumprimentos

  39. Boa tarde prof Pedro

    Conheci o seu blog à pouco tempo, e depois de ler alguns cometáeios e respetivas respostas, tenho umas questões:
    O instrutor do ginásio onde ando disse-me algumas coisas sobre os agachamentos.
    1- devemos sempre preferir ir até ao máximo (ate la baixo), recrutamos mais fibras do que ir a 90 graus.
    2- os joelhos não covém passar a ponta do pé.
    3- tentar sempre fazer força para cima com a planta do pé e nao com a ponta.
    4- para quem sofre do joelho, fazer com a fitball nas costas e nao passar o 50 graus de flexao (e o pé mais à frwnte do joelho para reduzir a carga mecanica).
    Sei que sao muitas questoes isto tudo é correto ou nao? Ou se há algo a “midar” nisto?
    Já agora conhece um individuo chamado salgueiro (parece que da dicas no youtube), se é de co fiança ou não (atenção que não quero desrespeitar o senhor).

    Cumprimentos

  40. Boa noite prof Pedro

    Tomei conhecimento do seu blog, e é com agrado que digo que é realmente espantoso, o trabalho e a dedicação são surpreendentes.

    Tenho umas questoes (se calhar já respondidas noutros artigos), mas ainda assim faço na mesma🙂

    1 – o treino de força é mais benéfico que um treino de hipertrofia (cerca de 75% a 80% de 1 RM)? Ou o treino em si não é o mais importante mas sim a intensidade com que se faz os exercicios?

    2 – li noutro artigo sobre as mitocondrias, nas respostas nao vi a pergunta que tenho que fazer que é se o treino de hipertrofia ajudam a aumentá-las? E de resistência também?

    3 – sobre o método do treino de resistência metabólico em que consiste (se me podia dar um exemplo de como de faz).

    4 – sei que nao faz parte deste post mas os frutos secos são benéficos mas muito caloricos, quanto é a percentagem que aconselha a comer?

    Agradeço desde já a atenção dispensada.
    Continue com este trabalho magnífico.

  41. Boa noite prof Pedro

    Recentemente tive conhecimento deste seu blog, e digo que é incrivel, o trabalho e a dedicação, que está aqui.

    Queria por duas ou tres questoes (as razoes sao: outros individuos do ginasio falam em tipos de treino que o instrutor acha que por ser “menina” não posso fazer)

    Um dos moços dizia que o treino isométrico (nao sei o que é) recrutava mais fibras musculares (isso é algo que me interessa), é mesmo assim?
    E que fazer no final da fase excentrica 2 a 4 segundos de isometria tem mais ganhos ( isto nas duas primeiras séries). Quando falei com o instrutor do ginásio ele disse que eram teorias, ate que ponto é verdade?

    Se calhar sao dúvidas já tiradas noutro ponto do blog, mas este foi o primeiro post que vi e como gostei do que li, achei que podia colocar aqui. Peço desculpa se estou a ser repetitiva.

    Agradeço desde ja a atenção dispensada.
    Cumprimentos e continue com este blog que está fantastico.

  42. bom dia prof Pedro

    Tenho duas questões, não que sejam dúvidas minhas, mas porque acho que a resposta dada, por quem sabe não me pareceu correto.
    Tem um sr. no ginásio, que tem o dorsal direito mais desenvolvido que o esquerdo (quando contrai o dorsal, nota-se bem que o direito “abre” mais que o outro), o instrutor, disse par fazer ,por exemplo, remo com haltere mais uma série do lado menos desenvolvido. Não sei se será o correto, já agora na puxada à coxa com polia alta, os braços são à largura dos ombros ou pode ser mais um bocadinho (pergunto porque há discussão entre o instrutor e um “bodybuilder”) ?
    a segunda questão, tem a ver com uma questão, uma amiga minha, sempre que vai correr chega a casa e vomita, mesmo que não coma nada antes de ir correr. será normal por causa do esforço? é que dantes isso não acontecia (mas também teve o mês de agosto parada), é normal?

    desde já agradeço a atenção e peço desculpa por serem perguntas se calhar já respondidas noutro tópico.

    Cumprimentos

  43. Bom dia prof. Pedro

    Gostaria que em indicasse, alguns exercícios para glúteos, além dos conhecidos, (algo possível de fazer em casa por exemplo).
    Desde já agradecida.

  44. Boa tarde prof. Pedro

    Tenho uma dúvida, que se calhar, já foi respondida, mas não encontro a resposta.
    Prende-se como facto da diferença entre peso morto, e levantamento de terra.
    O instrutor do ginásio, diz ser o mesmo, tem um sr. que é bodybuilder, diz que o levantamento de terra tem que dobrar os joelhos, ou seja, é tipo de agachamento com a barra à frente do tronco, mas segura pelos braços esticados; já o peso morto a barra vai sempre junto ao tronco costas retas, e com uma ligeira flexão dos joelhos quando se vai abaixo.
    Sei que se calhar é uma pergunta, básica, mas como não encontrei resposta, gostava que me desse uma.

    PS: de qualquer forma sigo as recomendações do instrutor

  45. Bom dia prof Pedro.

    Antes de mais queria agradecer, o facto de ter realizado este blog, que é simplesmente espetacular.

    Tenho apenas uma questao, e está relacionada com a última resposta, dada à Joana.
    Como é que o peso morto, como o levantamento de terra, sao iguais, e há quem os faça de forma diferente?

    Cumprimentos

  46. Boa tarde

    Gostava que me desse uma ajuda. Se me podia arranjar alguns exercicios de pliometria, ou um site que tenha alguns.
    Obrigado, desde já.

    Cumprimentos
    Maria Ferreira

  47. Bom dia prof Pedro

    Tenho uma pergunta, outro fia estava no ginásio, e ouvi um moço a perguntar ao instrutor, como é que ficava com os abdominais à mostra (six pack), diz esse moço, que já reduziu a quantidade de porcarias que come, já perdeu barriga, e que faz imensos abdominais, e bão há maneira de fazê-los sobressair, ao que o instrutor disse que, após isso tudo, e como não há resultados, é genético. A minha pergunta é: é mesmo genética, ou alguma coisa pode não estar a ser bem feito?

    Cumprimentos

  48. Boa tarde prof Pedro

    Tenho uma pequena questão, quanto tempo se deve fazer, para trabalhar pliometria/explosão para um atleta (de karate)?

    Cumprimentos.

  49. Boa noite prof Pedro

    Antes de tudo, queria felicotar por este excelente blog, tenho aprendido muito, mas tenho uma questão, imaginemos o seguinte treino: supino horizontal com barra, aberturas com halteres, supino horizontal com halteres, pull over, e disseram que não era bom fazer supino apos aberturas, mas neste caso seria para diversificar um bocado. A minha questao é estará mal como faço, ou posso fazer sem problema?
    Desde já obrigado, pela atenção dispensada.
    Cumprimentos.

  50. Bom dia prof Pedro

    Antes de mais queria felicitá-lo por este magnífico trabalho, que realiza neste blog.
    Tenho uma pergunta, é possível fazer, num esquema de musculação por exemplo, um exercício com peso e outro de cárdio? Por exemplo fazer 3 ou 4 séries de agachamento e depois fazer tapete, depois fazer peso morto e bicicleta,e assim por diante?
    Já agora só mais uma coisa, o principal músculo da flexão da coxa é psoas-iliaco e o reto abdominal ou é só o psoaqs-iliaco?
    Grato pela atenção dispensada.
    Cumprimentos

    • Olá Paulo,

      Obrigado pelo comentário.

      Tudo é possível fazer no treino mas isso vai depender sempre dos objetivos de cada pessoa. O reto abdominal não é um flexor da anca. O psoas e o ilíaco na verdade são dois músculos com origens diferentes mas utilizam-se ambos os termos porque partilham a mesma inserção. Ambos têm a capacidade de flectir a anca.

      Cumprimentos.

  51. Boa tarde prof Pedro

    Tenho a dizer que é simplesmente o melhor blog dedicado ao conhecimento físico, que existe. Nem há palavras para descrever o trabalho aqui desenvolvido. Ah, e com referencias bibliográficas (é sempre importante).

    Mas tenho umas perguntas/dúvidas que gostaria que gostaria que me elucidasse:

    1º – A diferença entre cadeia cinética aberta e fechada. estavam outro dia a falar disto no ginásio e eu não percebi.
    2º – Vi um sr. a fazer um treino de super série agonista/antagonista, e chegaram a explicar-me o que era, mas no treino de ombro como se faz isto? Quais os agonista e antagonistas?
    3º – Poderia dizer-me ou indicar-me um site onde tenha uma explicação (boa), sobre a função dos glúteos?
    4º – Isto tem a ver com a parte da nutrição (sei que não é o sítio, mas aproveito :)), comecei à relativamente dois meses a tomar proteína, aquela velha história de que as meninas não podem fazer treino de hipertrofia, não pega comigo, mas tomo um batido após o treino, mas houve no ginásio quem me dissesse que teria que beber mais água, é verdade?

    Peço desculpa pela extensão das perguntas.
    Desde já agradeço a atenção e continue com este excelente trabalho.

    Cumprimentos
    Sara Oliveira

    • Olá Sara,

      Obrigado pelo comentário.

      As respostas:

      1) Cadeia cinética aberta – As extremidades do corpo (mãos e pés) movem-se (ex: leg extensions ou bicep curl); Cadeia cinética fechada – As extremidades do corpo estão numa posição fixa (ex: flexões ou agachamentos).
      2) Lamento mas não percebo essa questão. A relação agonista/antagonista estabelece-se entre músculos com acções musculares opostas, o ombro tem vários músculos.
      3) http://bretcontreras.com/
      4) A água tem que beber sempre e provavelmente terá que beber mais água se a ingestão de proteína for superior.

      Cumprimentos

  52. Boa tarde prof Pedro

    Tomei conhecimemto destw blog no inicio do mês, e creio que já li uase todos os post. Simplesmente maravilhoso.
    Tenho uma pergunta, se fizer supino com halteres na bola suiça, em vez de usar o banco, é mau? Sei que o banco é mais estável, mas para quem treina há já uns anitos e quer mudar a rotina de treino de vez em quando, poderá ser feito ou não?
    Desde já agradeço e continue com este bestial trabalho.

    Cumprimentos

  53. Boa noite

    Tenho uma pergunta, o que acha dos exercicios calisténicos? Vi uns em que há uma flexão muito grande da coluna, e queria saber, a sua opinião.

    Desde já obrigado e boas entradas.
    Cumprimentos

  54. Boa noite prof Pedro

    Tenho uma questão e como ninguém me sabe responder, venho perguntar-lhe.
    É sobre as séries que fazemos na musculação, ora são 3 x 10 depois já são 4 x 10, depois são 3 x15, ou então são duas de 15 e já tá. Porquê três ou quatro e não cinco ou só duas?
    Sei que se calhar é uma pergunta parva, mas no ginásio onde ando as “meninas” têm treino diferenciado.

    Atentamente
    Cátia Fernandes

  55. Boa tarde prof Pedro

    Tenho uma questão, que apesar de saber que não é relacionada com este post, queria uma resposta.
    Para pessoas com problema de anca (a cabeça do fémur roça na anca), e o médico recomendou não fazer nem abdução de pernas, nem levantar o joelho acima da anca, posto isto, gostaria que tipo de exercícios de pernas se poderia fazer.

    Desde já agradeço a atenção
    Cumprimentos

    Joel Mendes

  56. Boa tarde prof. Pedro

    Antes de mais queria felicitá-lo por este blog.
    Tenho uma questão:
    Para secar e definir, que tipo de treino faço (número de reps, percentagem de 1 rep, tempo de descanço, número de exercicios, se é circuito ou não)?
    Peço desde já desculpa se já foi respondido.

    Atentamente
    Carlos Pereira

  57. Boa tarde prof. Pedro

    Apesar de não ter haver com este tópico, queria que me dissesse, o que acha dos vídeos do treino em foco no youtube?

    Cumprimentos
    João André Santos

  58. Boa tarde prof Pedro

    O seu blog é uma bíblia online. Simplesmente, genial.
    Apesar de saber que não é o sítio indicado, tenho duas pequenas questões:
    1 – é verdade que todos os exercícios de peito em que haja movimento de extensão do braço (supino, supino com halteres, etc), servem para engrossar o peito e todos os de aberturas e semelhantes alargam o peito?
    2 – os melhores exercícios para peito baixo.

    Desde já agradeço a sua atenção, e continuação de um excelente trabalho
    Cumprimentos
    Rosa Miranda

  59. Boa tarde prof Pedro

    Tenho uma pequena dúvida, sobre a velocidade na fase concêntrica e fase excêntrica.
    Já me disseram tantas, 1 – 2; 2 – 4; 1 – 4; etc.
    Entretanto aconselharam-me fazer 1- 3, porque se for superior, não há ganhos (seja massa muscular, seja força), mas se é na fase excêntrica que há hipertrofia, não se deveria fazer mais tempo?

    Cumprimentos

  60. Boa dia prof Pedro

    Tenho uma pequenina questão, sobre um exercicio.
    Na remada curvada com barra, a pega deve ser em pronação ou supinação?

    Cumprimentos
    José Rodrigues

  61. Bom dia prof Pedro

    Antes de mais deixa-me dizer-lhe que acho este blog fantástico.
    Tenho , que apesar de não estar relacionada com este blog, gostava de ver resolvida.
    Num treino de hipertrofia, em que por exemplo se faça 4 exercícios para peito, 4 para costas, etc, quantos se devem fazer para ombros e braços?
    Eu faço:
    – peito e costas 4 x 10;
    – pernas 5 x 10(gemeo incluido);
    – ombros 3 + 1 x 10 trapézio;
    – 2 x 10para triceps e 2 x 10 para biceps.
    Gostava de saber se estará bem ou deve-se fazer o mesmo número para todos os grupos musculares.
    Já agora, 4 exercícios, chega ou será melhor 5?

    Cumprimentos
    Pedro Sá

  62. Boa tarde

    Só uma perguntinha, estava no post a falar se treinar forte todos os dias não se dava descanso devido ao corpo, mas se por exemplo fizer:
    segunda – peito
    terça – pernas
    quarta – costas
    quinta – ombros
    sexta – braços
    é mau? Ou posso fazê-lo?

  63. Boa tarde prof Pedro

    Que tipo de treino no ginásio(séries, reps e tempo de descanso), devo fazer, para utilizar o sistema oxidativo?

    Cumprimentos
    Leticia de Sousa

    • Olá Letícia,

      Existem vários métodos para o efeito: método contínuo, método intervalado e método por repetições. Como cada um dos quais tem as suas especificidades, o ideal será que consulte um profissional do exercício para lhe ajudar nessa programação.

      Com os melhores cumprimentos.

  64. Boa tarde prof Pedro

    Tenho que lhe dizer que é um blogue fantástico.
    Queria fazer duas pequena perguntas.
    1ª – Li, já não sei bem onde, que devíamos, quando estamos a descansar entre séries, fazer exercícios compostos, a minha questão é, não deveria descansar? Imaginemos que estou a fazer peito, devia entre as séries fazer, por exemplo burpee, mas a seria melhor descansar ou é um tipo de treino diferente?

    2ª – Ainda não encontrei resposta, e peço já desculpa por esta pergunta, qual é a diferença entre fazer 3 séries de x reps ou 4 ou mesmo 5? É só mesmo uma questão de trabalho (mais trabalho), ou há alguma razão específica?

    Desde já obrigado pela atenção dispensada.
    Cumprimentos

    • Olá Francisco,

      Obrigado pelas simpáticas palavras.

      Em primeiro lugar, tudo depende do seu objetivo. Por exemplo, se está a fazer séries de força e faz um burpee entre séries, isso não é muito inteligente. A diferença é o volume e este deverá ajustado em função dos objetivos da pessoa.

      Cumprimentos.

  65. Boa tarde

    Para ganhos de força e massa, devemos sempre potenciar a fase excentrica do movimento, e carga deverá ser quanto? 70% de uma RM? Ou 80%?

    Cumprimentos

  66. Bom dia

    Só uma perguntinha rápida, relacionada com a pergunta/resposta anterior.
    A fase excentrica só potencia a hipertrofia ou também potencia a força? Ou seja também há ganhos de força?

    Cumprimentos

  67. Boa tarde prof Pedro

    Em relação a uma resposta que deu, se é bom misturar exercícios com peso corporal entre séries de musculação?
    Por exemplo se fizer uma série de 10 reps de agachamento e no tempo de pausa (1 minuto) fizer burpees durante 30 segundos é bom? Ou devo fazer outro exercício? Ou mais tempo?
    Sei que se fizer treino de força não é lógico, mas por exemplo hipertrofia, ou resistência metabólica ou outro tipo de treino é possível?

    Desde já agradeço a atenção dispensada
    Cumprimentos
    Bruno Sousa

  68. Boa Tarde prof Pedro

    Antes de mais queria agradecer ter feito este blog. E fantástico.
    Queria tirar umas dúvidas
    1 – Ainda relacionado com a resposta anterior, existe algum método para fazer? Tipo se devo fazer um exercício do mesmo grupo muscular ou de outro. E durante quanto tempo? Para ajudar a secar é bom? Pergunto isto porque no ginásio onde ando, os instrutores para além de nunca terem ouvido falar, acham que não ajuda.
    2 – Abdominais como este http://4.bp.blogspot.com/-cYdKdShXJ8U/UN-jTpMyiGI/AAAAAAAABy4/bQM-D6CVLa4/s1600/elevacao-de-perna-na-barra.jpg, podem ser feitos?
    3 – Saltar à corda 10 a 15 minutos é igual ou melhor que correr uma hora (eu salto à corda e faço uns sprints de 20/30 metros)?

    Um aparte, dizem que os ovos fazem mal, a gema que tem muito colesterol, etc etc, e aconselharam-me comprar um litro de clara de ovo, ora eu acho que os ovos não fazem assim tão mal, aliás nas últimas análises estava tudo bem, por isso pergunto uma média por semana quantos ovos posso comer.
    Faço um treino de musculação todos os dias (2ª a 6ª), mais três vezes karate sempre tudo com intensidade

    Desde já agradeço a atenção, e peço desculpa pelas perguntas mas são dúvidas que ainda ninguém me conseguiu responder

    Manuel Alves

  69. Boa noite

    Gostava o que me podia dizer sobre o seguinte livro:
    Primal Blueprint Fitness?
    Já agora o abdominal que está descrito na pergunta anterior será bom?

    Obrigado
    Cumprimentos

  70. Bom dia

    Tenho uma pergunta, imaginemos um treino com 5 séries, a 1ª seria de 9 reps fase excentrica, a 2ª 3ª e 4ª seriam de 8 reps normal, e a última com menos peso seria ir até à falha.
    Poderei fazer desta forma?

    Cumprimentos
    Carlos Sousa

  71. Boa noite

    Tenho duas perguntas.
    O supino com a pega em supinação, é bom, ou nem por isso?
    Podia indicar-me um exercicio de ombros que trabalhasse todas as porções (deltóide anterior, medial e posterior)?

    Desde já agradeço a atenção
    Cumprimentos
    Hugo Sousa

  72. Boa tarde prof Pedro

    Sou seu seguidor do blog acerca de uma ano, mas esta é a primeira vez que coloco uma pergunta.
    Esta questão está relacionada com a resposta dada no pergunta anterior, sobre os ombros.
    Portanto, eu faço um press e a barra após passar a cabeça vai para a linha dos ombros?
    O mesmo exercício com halteres não é igualmente bom?

    Atenciosamente
    André Silva

  73. Boa tarde prof Pedro

    tenho a dizer que este é o único blog sobre treino/exercício físico que existe.
    Temas atuais, desfazer mitos, é do melhor.
    Também sei que não gosta de “passar receitas” mas venho perguntar uma, porque no ginásio onde ando “só há treinos para bodybuiders”, ou seja há outros mas há diferença entre homem/mulher, treino funcional é bom para as lides da casa, coisas do género.
    Venho perguntar o seguinte treino:

    1º treino

    1 extensões 4 x 6/8
    2 agachamento 4 x 6/8
    3 peso morto 4 x 6/8
    4 supino reto 4 x 6/8
    5 flexões 4 x 25/30
    6 remada com barra 4 x 6/8
    7 elevações 4 x N

    2º treino

    1 lunges ou bulgarian split squat 4 x 6/8
    2 gemeos 4 x 25/30
    3 cross-over 4 x 6/8
    4 puxada à coxa 4 x 6/8
    5 supino inclinado 4 x 6/8
    6 puxada ao peito pronação 4 x 6/8

    3º treino

    1 press militar com barra 4 x 6/8
    2 elevações de trapézio 4 x 6/8
    3 press c/ barra triceps 4 x 6/8
    4 curl com barra 4 x 6/8
    5 swing 4 x 25/30
    6 intercalar flexões com elevações 4 x N (cada)
    7 hip thrust 4 x 25/30

    não significa que possa fazer esta ordem (posso alterar um ou outro), mas queria fugir às rotinas e fazer uma espécie de hipertrofia a fugir para a força, e pergunto isto porque quando falei com o instrutor sobre isto, houve um que disse que era uma boa ideia, outro disse que era treino de menina, e o que precisava era levantar peso ( este último é tão largo que nem deve conseguir coçar as costas).
    Queria saber se é um bom esquema de treino

    Cumprimentos e continuação de um bom trabalho
    Afonso Silva

      • Boa tarde prof. Pedro

        Sei que um exercício pode dar para dez pessoas e não servir para outras dez.
        Quando perguntei se era um bom esquema seria a nível de exercícios, fazer um “mix” de treino com pesos e com o peso corporal.

        Quanto à minha condição física, faço karate 3x semana há mais de 23 anos, fiz musculação entre 2001 e 2007, parei uns 3/4anos por causa do trabalho ( mas sempre a fazer karate), retomando até hoje.
        Ainda de vez em quando faço uns treinos funcionais cerca de 30 minutos.
        Desde já agradeço a atenção dispensada

        Afonso Silva

  74. Bom dia prof Pedro

    Tenho uma pequena questão:
    Sou praticante de artes marciais desde 1993, com três treinos por semana, faço treino de musculação (pesado), todos os dias, de vez em quando ainda faço umas sessões de treino funcional, a minha pergunta é que será que perante este cenário, o meu organismo estará mais apto a resistir ao consumo de batata ou arroz branco?
    Já agora o arroz integral é mau?

    cumprimentos e continuação deste excelente trabalho.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s